Qualidade versus Quantidade...

... nos projectos curriculares do pré-escolar.

Já se apercebeu da quantidade de propostas de projectos que chegam à escola no decurso do ano lectivo? Se a estas juntarmos os projectos previstos no Projecto Educativo da Escola /Agrupamento, terá uma panóplia de possibilidades à escolha. Adicione ainda os temas escolhidos por si e faça contas. O que obtém?
Uma dor de cabeça!
Querendo abraçar todas as propostas com que foi desafiado(a), mais aquelas que lhe ocorreram e lhe pareceram acertadas, mete mãos à obra, mas à medida que os projectos se vão sucedendo, sente que não há tempo para respirar, daí que passa a sentir-se esmagado(a) pela quantidade de projectos que deciciu incluir no projecto curricular de turma. Na prática, o que acontece, é uma corrida contra o tempo de modo a conseguir dar conta do recado, mas como o tempo não é elástico, acaba por perceber que a qualidade ficou comprometida a favor do cumprimento de prazos, do calendário, da planificação.

Hoje em dia, felizmente, há uma oferta vasta e diversificada de propostas que constituem óptimas estratégias pedagógicas para explorar questões no âmbito da educação ambiental, educação para a saúde, cultural, etc. Podem ser de facto uma mais-valia para o seu trabalho mas só se tiver tempo para os concretizar com qualidade.
Não há nada pior do que fazer as coisas à pressa, a correr, porque a seguir são as actividades do Dia do Pai ou outra coisa qualquer. Há sempre outro tema, outro projecto em lista de espera aguardando a sua vez de entrar em cena.

Os projectos cumprem um objectivo pedagógico e a pressa condiciona o sucesso desse objectivo, penalizando o seu grupo, a qualidade do seu desempenho e até o seu bem-estar, na medida em que a insatisfação resultante da consciencia do fraco resultado obtido, acarreta um acréscimo de stress desgastante.

O que fazer então?
  • Informe-se sobre os projectos em que a sua Escola está envolvida e tome nota dos que se destinam ao pré-escolar (ou 1º ciclo).
  • Questione a Direcção sobre outros projectos que habitualmente a autarquia ou outros parceiros educativos propõem à escola (e que normalmente surgem ja no decorrer do ano lectivo) e antecipe-se a eles, contemplando-os no PCT.
  • Tenha o cuidado de contemplar no PCT e nas planificações mensais todos os projectos e temas que sabe que irá trabalhar. Desta forma terá uma visão abrangente da organização do calendário escolar e facilitar-lhe-á a gestão adequada do tempo e das actividades.
  • Evite planificações dantestas! Uma lista infindável de temas e projectos não significa melhor desempenho nem melhor resposta às necessidades do seu grupo de crianças.
Deverá garantir às crianças o tempo adequado para desenvolverem as suas potencialidades e isso só será possivel se lhes permitir ter tempo para a aprendizagem. Muito, não e sinónimo de bom. Assegure-lhes tempo útil, sem stress.
Por fim, lembre-se que o PCT cumpre um propósito. Não é o propósito em si mesmo. Pode e deve ser revisto regularmente e adaptar-se às necessidades do grupo. É sempre preferivel não avançar para um projecto, a prejudicar aquele que tem em mãos, se o mesmo estiver a produzir bons resultados.

5 comentários:

Luz disse...

Este ano senti-me mesmo "esmagada"...
Obrigado pela "dica"
Luz

Albertina Pereira disse...

Pois...imagino. Temos de saber retirar mais de menos. :)

Ritiiiiinha disse...

oi!
selinho no baú...
beijinhos

Xinha disse...

No ano passado as coisas foram terriveis...os projectos eram tantos...projectos de departamento, projectos de escola, projectos de agrupamento, que quase não conseguiamos respirar.
Este ano tivemos mais cuidado e as coisas correram muito melhor e, de qualquer modo, eu tento sempre levar as coisas com calma e ao ritmo do interesse das crianças, não cumprindo os prazos estabelecidos muitas das vezes.

Albertina Pereira disse...

Obrigada Ritiiiiinha! :)Beijos

Xinha, efectivamente, o melhor a fazer é dar prioridade ao que é verdadeiramente importante: o ritmo das crianças.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
sd